Trânsito

Trânsito

Candidatos com deficiência auditiva entram na justiça para suspender concurso da UERN

05/06/2024


Foto: Ricardo Morais

Candidatos com deficiência auditiva, que fizeram as provas do concurso da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) no domingo, 21 de abril, ingressaram com ação na justiça pedindo a suspensão do concurso. Eles alegam que não houve acessibilidade adequada, como a presença de um intérprete, por exemplo, durante a realização da prova.

A professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Gisele Oliveira, que também é representante da comunidade surda de Natal, explicou que o concurso trouxe prejuízos para a comunidade.

“O concurso realizado pela banca Idecam trouxe sérios prejuízos para a comunidade surda, uma vez que desde o edital não houve acessibilidade. Como é que eu vou um concurso para pessoas surdas que tem a Língua Brasileira de Sinais como primeira língua, e desde o edital não foi acessível? As informações da banca para os candidatos foram em língua portuguesa. A pessoa surda não tem a língua portuguesa como primeira língua”, afirmou, explicando ainda que os intérpretes presentes foram orientados a não traduzirem a prova.

Para a professora, houve desrespeito com os candidatos que solicitam a reaplicação da prova com a acessibilidade necessária. O pedido, no entanto, foi indeferido. O juiz argumentou que os candidatos só entraram com a ação após constatar o baixo rendimento nas provas.

A defesa alega que o pedido foi realizado antes mesmo da divulgação dos resultados. O pedido cabe recurso.

 

Fonte: Ponta Negra News

Essa publicação é um oferecimento

LA BELAS ARTES - ARTES EM CORTES A LASER

Trânsito

João Medeiros é a avenida com maior número de acidentes em Natal, diz STTU

16/04/2024


Foto: José Aldenir / Agora RN

No final de semana, mulher morreu depois de ser atropelada por motociclista que empinava moto; homem pagou fiança e Polícia Civil investiga o caso

Doutor João Medeiros Filho, na Zona Norte de Natal, Engenheiro Roberto Freire e Prudente de Morais, ambas na Zona Sul, são as três avenidas com o maior número de acidentes na capital potiguar, de acordo com a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana de Natal (STTU). A informação foi confirmada por Luzia Fernandes, pedagoga do departamento de educação de trânsito da STTU.

Na João Medeiros, no último sábado, uma mulher morreu após ser atropelada por um motociclista que empinava uma moto de alta cilindrada. Maria do Socorro Teixeira de Carvalho França, de 61 anos, atravessava a avenida quando foi atingida por um homem que pilotava a motocicleta. Ele chegou a ser preso após o atropelamento, mas pagou fiança no valor de R$ 21 mil e foi solto em seguida. A vítima, que era feirante aposentada, foi sepultada ontem à tarde.

De acordo com a Polícia Civil, ele foi autuado por “homicídio culposo na direção de veículo automotor”. A investigação será de responsabilidade da Delegacia Especializada em Acidentes de Veículos (Deav) de Natal. A corporação informou por meio de assessoria de imprensa que o acidente segue em investigação e que mais testemunhas serão ouvidas. No Instagram do homem, diversos vídeos mostrando histórico de infrações de trânsito enquanto pilotava motocicletas. Ele excluiu o perfil após a repercussão do caso.

Somente em vias municipais, no ano passado foram 90 atropelamentos, de acordo com a STTU; redução em relação a 2022, que registrou 115 atropelamentos, de acordo com a STTU. A Pasta diz que faz campanhas educacionais e que elas se estendem a vias estaduais, como a João Medeiros e a Roberto Freire. “Na João Medeiros Filho a gente faz blitz educativa, principalmente com relação ao limite de velocidade. A João Medeiros Filho é uma das avenidas de Natal que mais acontecem acidentes. Assim como na Avenida Engenheiro Roberto Freire e na Prudente Morais. Então, nesse trabalho, a gente acaba estendendo mais um pouco por conta desses acidentes”, afirmou Luzia Fernandes, pedagoga do departamento de educação do trânsito da STTU.

“Quando a gente vai fazer uma blitz na João Medeiros Filho, a gente já pede o apoio do CPRE [Comando de Polícia Rodoviária Estadual]. A gente tem o nosso trabalho de educação, mas sabemos que a fiscalização também é essencial para coibir esse tipo de situações que coloquem em risco a vida dos pedestres e a vida de todos”, disse.

Questionada pela reportagem, a assessoria de comunicação da PMRN não respondeu o que é feito em termos de fiscalização, monitoramento e autuação de motoristas que cometem infrações de trânsito nas rodovias estaduais.

Motociclistas também são vítimas: colisões levam um por hora ao Walfredo

O Hospital Walfredo Gurgel, referência no atendimento de traumas na Grande Natal, atende em média 1 paciente por hora vítima de acidente de trânsito envolvendo motocicleta. Em 2023, de janeiro a outubro, foram 6.998 atendimentos, um aumento de 12% em relação ao mesmo período do ano anterior. A média foi de 700 pacientes por mês (ou mais de 23 por dia, 1 por hora). Os dados são da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap).

Do total de pacientes que procuraram o hospital no ano passado por acidente de moto, 34% (2.309) ficaram internados. A média é de 8 pacientes internados por dia.

Desses pacientes internados, 66% foram encaminhados para ortopedia, 19% para cirurgia geral e 11% para neurocirurgia. A Sesap enfatiza que acidente de moto é a segunda causa de atendimentos no pronto-socorro do hospital, com uma média de 1/3 dos casos que geram internação, perdendo só para quedas.

Vale ressaltar que o número de acidentes de moto com gravidade registrados na Grande Natal é maior que o número de atendimentos no Walfredo, já que pacientes podem recorrer a outras unidades de saúde, como Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e hospitais particulares.

Em outras regiões potiguares, as unidades de referência são os hospitais Tarcísio Maia (Mossoró), Telecila Fontes (Seridó) e Cleodon Carlos de Andrade (Alto Oeste). O comandante da Polícia Rodoviária Estadual, coronel Eduardo Franco, enfatiza que todos os acidentes poderiam ter sido evitados.

 

“Toda vida no trânsito vale ser salva. É uma triste realidade a que estamos vivenciando. Os acidentes de moto são causados por imprudência, imperícia ou falta de condições das motocicletas. A responsabilidade parte do Estado, mas também do condutor”, destaca.

Essa publicação é um oferecimento

GRUPO MANGUEIRÃO

Trânsito

Adolescente de 13 anos é flagrado dirigindo veículo em blitz do CPRE

21/03/2024


Foto: Divulgação

Um homem de 57 anos foi detido por entregar a condução de um veículo ao filho, um adolescente de 13 anos. A ação aconteceu durante uma blitz da Lei Seca, realizada pelo Comando de Policiamento Rodoviário Estadual (CPRE), durante a noite da última quarta-feira (20) e madrugada desta quinta-feira (21).

A operação aconteceu de forma simultânea nas avenidas Romualdo Galvão, Prudente de Morais e João Medeiros Filho, culminando na autuação administrativa de 11 pessoas por misturar álcool e direção. Um deles, homem de 25 anos, recebeu voz de prisão após o teste de alcoolemia apontar valor de 0.36mg/l, configurando crime.

 

As ocorrências foram encaminhadas à Central de Flagrantes para as providências criminais cabíveis.

Essa publicação é um oferecimento

SAMIR BARBER - CABELO E BARBA

Trânsito

Audiência discute liberação de faixa da Ponte de Igapó

20/03/2024


Foto: Magnus Nascimento

Uma audiência entre a Prefeitura de Natal e o Departamento Nacional de Estradas e Rodagens (Dnit) nesta quarta-feira (20), vai discutir a liberação de uma das faixas da Ponte de Igapó. Isso porque o Município entrou com uma Ação Civil Pública (ACP) na Justiça Federal para que o Dnit libere uma das duas faixas interditadas para obras de restauração do equipamento. Thiago Tavares, procurador-geral do Município, disse que uma equipe técnica participará da audiência para comprovar as alegações que culminaram com a ACP.

“Estarão presentes equipes da Seinfra, STTU e Semurb para que comprovem nossas alegações iniciais, de que é totalmente desnecessário o canteiro da obra ficar em cima da ponte. A gente pede pela sensibilidade e razoabilidade do Dnit para que se chegue a um caminho onde a população sofra menos”, disse o procurador. A TRIBUNA DO NORTE procurou o Dnit para comentar o assunto, mas o órgão não respondeu até o fechamento desta edição. A audiência será virtual e ocorrerá às 14h desta quarta-feira.

Na ação, o Município alega que a interdição está afetando diretamente a rotina dos 350 mil habitantes da Zona Norte da capital, bem como o comércio circunvizinho e de outras áreas, como a do bairro do Alecrim, impactando diariamente trabalhadores e consumidores que se deslocam de uma região a outra da cidade. O Dnit reagiu dizendo que o canteiro de obras instalado sobre o equipamento, no sentido zona Norte/bairro Nordeste, foi a opção tecnicamente mais viável, “uma vez que se trata de um segmento de risco, sujeito a acidentes”.

Enquanto uma definição sobre a questão não sai, comerciantes da região e motoristas que trafegam pela área, reclamam dos transtornos provocados pelo bloqueio. O motorista por aplicativo Francimário Silva, reclama que os problemas para passar pelo local só se agravam. “A situação é complicada, com uma diferença: antes, a gente tinha horários onde havia certo alívio, mas hoje, toda hora os motoristas enfrentam congestionamento para passar pelo local. A lentidão é sempre muito grande. Eu até evito pegar corrida para a zona Norte. É ruim para mim e para os clientes, que reclamam de atrasos”, conta.

O comércio também tem sofrido com os impactos da interdição, segundo comenta o consultor de venda Antônio Tavares. Ele trabalha em uma loja de carros em Igapó, próximo à cabeceira da ponte, sentido zona Norte/Centro. “As pessoas veem os congestionamentos e pensam que isso é bom para o comércio da região, mas não é. As pessoas ficam na dúvida se a loja está funcionando e preferem não arriscar vindo para cá”, diz Tavares.

Os impactos acontecem até para quem trabalha do outro lado da ponte. É o caso de José Matias, que vende água em um sinal na Prudente de Morais. “Percebi que, logo cedo, de manhã, há um vazio no fluxo na região onde eu ficava, porque os carros estão presos aqui. Então, vim para cá para tentar vender melhor. Que a obra acabe para que eu não tenha que me deslocar até aqui”, disse ele.

 

Tribuna do Norte

Essa publicação é um oferecimento

Open Master - Agência de Desenvolvimento Web

Próxima